Arquivo

Archive for outubro \31\UTC 2012

Ponto de Equilíbrio Empresarial/Operacional

Melhor do que vender mal, é não vender. O melhor é saber  controlar os custos e a partir destes, melhorar a LUCRATIVIDADE.

Sem conhecimentos de custos, não se forma Preço de Venda, não se determina a Contribuição Marginal e nem o Ponto de Equilíbrio Operacional.

Sem conhecer estas três técnica, não há empresa que obtenha SUCESSO.

Vamos aos cálculos.

Para uma melhor visualização, click na ” engrenagem” abaixo do vídeo e coloque 1080p. Depois click em tela cheia.

Suponhamos uma empresa com os seguintes dados:

  • Preço de Venda = $ 500/u
  • Custos variáveis = $ 350/u
  • Custos fixos = $ 600.000/mês

A empresa obterá seu Ponto de Equilíbrio quando suas Receitas Totais equalizarem seus Custos Totais:

RT  =  (Custos variáveis  +  Custos fixos).

Q.$500/u = Q.$350/u  +  $600.000/mês

Q.$500/u  –  Q.$350/u  =  $600.000/mês

lembram-se como resolver uma equação do primeiro grau. No exemplo acima, vamos substituir o Q(quantidade) pelo x

500x  =  350x  +  600.000,00

500x – 350x =  600.000. Agora  subtraímos os termos semelhantes.

150x  =  600.000. Como o 150 está multiplicando x, vamos isolar o x e trazer o 150 como divisor de 600.000

Logo o meu x é igual a 4.000u. Portanto, 4.000u é o meu Ponto de Equilíbrio em Quantidade. Para encontrarmos a Receita Total: 4.000 x 500  =  $ 2.000.000/mês o meu Ponto de Equilíbrio monetário.

Vejamos:                            Receita Total( $500 x 4.000)        = $ 2.000.000

( – )       Custos Variáveis( $350 x 4.000)                                 =  $ 1.400.000

( – )       Custos Fixos                                                                     =  $    600.000

Saldo                                                                                                =      –  0  –


Inscreva-se aqui para receber novas publicações GRÁTIS

Muito obrigado, sucesso e até a próxima publicação

Prof. Hamilton Alves

Para ser superado não é preciso parar…

Olá pessoal, tudo bem?

Aqui vai mais uma dica para o enriquecimento do curriculum. No entanto, me permitam parafrasear:

  • Para ser superado não é preciso parar; basta permanecer com a mesma velocidade, atitude ou forma de pensar. Assim, entenderemos o sortilégio da inércia gerencial.
  • O progresso não pára, e aquele que não antecipa suas próprias mudanças está condenado a ser um perdedor. O Sucesso aparece apenas para aquele que embarca em processo de aprimoramento contínuo (Claudiney Fullmann – Introdução à edição brasileira ampliada de A META).
  • O Sucesso na vida depende unicamente de insistência e ação(Émerson).
  • Vale lembrar, que é minha intenção contribuir com este sucesso, trazendo a teoria à prática.

A dica de hoje é sobre Desconto de Duplicatas, e em consequência a explicação sobre taxa de juros, nominal e efetiva e, ainda, como calcular o prazo médio de um borderô enviado ao banco para desconto.

Vamos ao vídeo:

Para uma melhor visualização, click na ” engrenagem” abaixo do vídeo e coloque 1080p. Depois click em tela cheia.

Por favor inscreva-se, clicando no link abaixo, para receber as próximas publicações.

Lembrem-se: O Aprendizado é lento e de alto custo; aprender com a experiência alheia encurta o tempo e diminui o sofrimento.(Samuel Emery Lopes)


INSCREVA-SE AQUI, PARA RECEBER AS PRÓXIMAS PUBLICAÇÕES GRÁTIS

Muito obrigado, sucesso e até a próxima publicação.

Prof. Hamilton Alves

Será que a Universidade nos ensinou corretamente?

Certo dia, indo de uma unidade fabril para o escritório central,  juntamente com o meu Diretor Financeiro, Sr. Smith, – o nome não é o verdadeiro, afim de preservar-lhe a identidade –  arrisquei um diálogo:

Sr. Smith, por que a empresa não custeia a faculdade para mais funcionários, uma vez que lhe é permitido deduzir este valor do Imposto de Renda? eu fui  um dos privilegiados e já estava formado em Administração de Empresas há três anos.

Estou decepcionado com você, Hamilton, respondeu-me o Sr. Smith, muito, mais muito zangado mesmo. Afinal, você tem vindo para esta unidade de produção, há mais de um ano, e três vezes por semana, para aprender tudo sobre custos. Ou seja, como se calcula o preço de venda, o que é contribuição marginal, como valorizar o estoque, tanto de produto acabado quanto de produto em processo, como se determina o ponto de equilíbrio operacional, e, neste momento, vejo que ainda não aprendeu, absolutamente, nada. Bem, vocês podem imaginar, que a essa altura eu já estava, totalmente, transfigurado e completamente vermelho de vergonha.

Para minha salvação, quando ele desfechou a frase mortal: Hamilton, você sabe de quais “despesas” a empresa se beneficia para uma redução significativa no Imposto de Renda? “despesas” estas, que são muito mais significativas do que o  pagamento da faculdade de todos os funcionários da empresa? Organizei meus pensamentos e com a mesma velocidade com que o raio corta os céus, de um extremidade à outra, respondi, então, demonstrando conhecimento de causa. Percebi de imediato que a resposta foi convincente.

Por questões  éticas, não vou comentar, aqui, quais “despesas” são estas. No entanto, àqueles que acompanharem minhas publicações, irão, aos poucos, construindo o conhecimento necessário para entenderem quais são estas “despesas”.

Dois anos após minha formatura em Administração de Empresas – e esta durou quatro – tinha a sensação de não ter aprendido, absolutamente, nada. Cheguei mesmo a questionar-me se esta seria a profissão que realmente queria, pois na empresa onde trabalhava – no departamento de contas a pagar – nada do que estudei nesses quatro anos estava sendo aplicado.

E quando já decidido a abandonar a carreira, o Sr. Smith me presenteou com este estágio no departamento de custos e orçamentos da companhia. Foi aí, que começou minha verdadeira formação em Administração de Empresas. Foi aí, que aprendi a enxergar a empresa como um todo, e não mais departamentalizada.

Graças a esses conhecimentos, tenho obtido sucesso, também, nas minhas consultorias, onde apuro, a viabilidade econômica financeira das empresas e as oriento para o novo caminho que deverá ser seguindo.

Com a intenção única, de compartilhar, um pouco desse conhecimento, tanto nas minhas postagens passadas – vide no blog – quanto nas futuras, os meus artigos serão sempre de caráter prático; trazendo a teoria para a prática. No entanto, solicito que se inscrevam, clicando no link abaixo, pois há dicas que não poderei torná-las públicas, por questões éticas.

SERÁ QUE A UNIVERSIDADE NOS ENSINOU CORRETAMENTE, OU DERAM ÊNFASE AO QUE NÃO ERA TÃO NECESSÁRIO?
Inscreva-se aqui, para receber as próximas publicações, GRÁTIS

Lembrem-se: O Aprendizado é lento e de alto custo; aprender com a experiência alheia encurta o tempo e diminui o sofrimento.(Samuel Emery Lopes)

Muito obrigado, sucesso e até a próxima postagem.

Professor Hamilton AlvesRequest Feedback

Testando Conhecimentos

De acordo com os atuais parâmetros de competitividade, a vantagem competitiva é obtida quando uma organização é capaz de obter recursos e oferecer produtos e serviços com qualidade superior, custo inferior, ou em prazo menor que os concorrentes; ou sucede-se bem nos três requisitos. Porém, estes fatores podem alterar-se ao longo do tempo.

Não importa o que sua empresa produz ou vende. Se quiser prosperar, ela precisará das melhores pessoas, de profissionais empreendedores, inovadores, energéticos, visionários e bem-formados.

Vamos, então, fazer uma avaliação diagnóstica de nossos conhecimentos matemáticos, aplicados, é claro, à problemas empresariais.

Porcentagens:

1o. Problema: Foi enviado pelo departamento de R.H (recursos humanos) para o departamento de contas à pagar a guia do F.G.T.S. (fundo de garantia por tempo de serviços), para ser recolhido(pago) no vencimento. O valor constante da guia é de R$ 55.000,00 que corresponde a 8% do valor total da folha de pagamento. Qual o valor dessa folha? R$

2o. Problema: 45% de uma determinada quantia corresponde a R$ 25.000,00. Qual é essa quantia? R$

3o. Problema: Um lojista comprou televisores para revenda ao custo de R$ 500,00 cada unidade. Deseja ter um lucro de 40% sobre o preço de venda. Por quanto deverá vender cada unidade? R$

Veja as respostas clicando no menu acima: RESPOSTAS.

A EMPRESA DE HOJE

A globalização, juntamente, com a evolução tecnológica tem obrigado as empresas a reformularem seus paradigmas. E as que não ousarem optar por essa reformulação – com certeza – sairão do mercado.

Este é o slogan que todos nós, empresários, estudantes e trabalhadores, ouvimos a todo momento, seja no ambiente de trabalho ou através das mídias. No entanto, compartilho deste, apenas em parte:

  • Se novos produtos demoravam a serem lançados – para atender solicitações dos cliente – estes, deveriam, simplesmente, esperar;
  • Se os custos das matérias-primas, estavam altos, bastava repassar para os clientes;
  • Se o prazo de entrega era muito longo, o cliente que esperasse pacientemente.

Não havia preocupação por parte do produtor em atender de forma satisfatória ao cliente. Hoje esta realidade mudou. Seus concorrentes estão em qualquer parte do mundo e são de qualquer tamanho.

Falando com conhecimento de causa, as empresas que “quebram” hoje, não “quebram” por falta de recursos – pois estes, mais do que nunca, existem em abundância, Graças à concorrência – . Elas “quebram” hoje, por falta de profissionais competentes.

Temos profissionais, gerindo as áreas administrativas financeiras, que não tem conhecimento sequer de como analisar seu estoque muito menos de analisar um balanço. Por falar em balanço, este só existe para medir aquilo que foi previamente determinado.

Aprofundando-nos um pouco mais nas técnicas de gerenciamento empresarial, nos deparamos com outro slogan: Quem determina o preço de venda de um produto é o mercado. Verdade absoluta. No entanto, antes do lançamento de qualquer produto, os gestores empresariais, deverão saber qual a contribuição marginal que este produto vai gerar. De possse dessa informação, decide-se se este produto será viável ou não.

E é nesse momento, da determinação da contribuição marginal, que a grande maioria dos profissionais se perdem, por não saberem determinar o preço de venda.

Para as  técnicas de gerenciamento empresarial, a bibliografia é vasta e muito boa. Porém, falta conhecimentos de matemática básica para a aplicação destas técnicas. Exemplificando, se quisermos calcular o ponto de equilíbrio de qualquer empresa, basta consultarmos o livro contabilidade de custos do Professor Eliseu Martins, ele nos dá um bom exemplo. Mas a dificuldade maior por parte dos gestores é trazer este conhecimento da teoria para a prática.

Antes de querer mudar o paradigma da empresa, se faz necessário avaliar os profissionais que tomam decisões e só depois desta avaliação, por em prática as mudanças que se pretende fazer.

A título de informação, tenho um podcast publicado no meu blog, com o título de: Administrando seu salário. Esta técnica serve, também, para administrar evolução de custos e de preço de venda.

Que seja bem vinda esta, bendita, globalização.

Administrando seu salário

Olá pessoal, aqui vai mais uma dica de como administrar seu salário.
Espero que gostem. Comentem e se inscrevam.

Para uma melhor visualização, click na ” engrenagem” abaixo do vídeo e coloque 1080p. Depois click em tela cheia.

Lembrem-se: O Aprendizado é lento e de alto custo; aprender com a experiência alheia encurta o tempo e diminui o sofrimento.(Samuel Emery Lopes)

Para receber as próximas dicas, inscrevam-se, clicando no link abaixo.

Muito obrigado, sucesso e até o próximo vídeo

CADASTRE-SE para receber publicações e vídeos GRÁTIS

%d blogueiros gostam disto: